Defesa Civil orienta interessados em ajudar cidades atingidas pelas chuvas

Defesa Civil SC

Procurar a unidade da Defesa Civil do seu município é o primeiro passo para quem está disposto a ajudar no atendimento de famílias atingidas pelas chuvas dos últimos dias. O secretário adjunto da Defesa Civil, Fabiano de Souza, explica que os voluntários devem se identificar junto às unidades municipais, informarem as funções para qual estão habilitados para exercerem e aguardarem a convocação no momento oportuno para o auxílio.

“O mais importante é que as pessoas sigam as orientações dos órgãos da Defesa Civil de cada município. Muita gente está precisando de ajuda e esse trabalho voluntário é muito importante, mas o cenário é de risco e são necessários cuidados para garantir a segurança de todos”, afirma o secretário.

A necessidade de doação de materiais também deve ser consultada com as equipes da Defesa Civil de cada cidade. As unidades municipais são órgãos independentes, vinculadas às prefeituras, que trabalham em parceria com o órgão estadual. Para acionar a Defesa Civil de cada município, o voluntário deve ligar para a central 199 ou procurar a prefeitura.

O secretário Souza lembra, ainda, que apesar da trégua da chuva nesta terça-feira, 6, a previsão é de que a partir desta quarta-feira, 7, volte a chover de forma mais significativa em diferentes regiões do Estado, com a situação se acentuando na quinta-feira. “Então, as pessoas que saíram das suas casas, procuraram um abrigo ou se alojaram na casa de parentes ou amigos, devem aguardar mesmo com a trégua de hoje (terça). A situação ainda é crítica e qualquer chuva nesse momento pode elevar os níveis dos rios e há riscos de deslizamentos”, ressalta.

Antes de tentar voltar para casa, a orientação é consultar a Defesa Civil do município para confirmar a liberação da área. Para os próximos dias, a atenção é maior principalmente para as regiões Oeste, Planalto Serrano e Vale do Itajaí.

Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado de Comunicação – Secom

Anúncios

Ilhota receberá Kit´s de transposição

Pontes no interior de Ilhota construídas na gestão do prefeito Ademar Felisky, #blogdodcvitti, #DialisonCleberVitti, 2014, Cleber Vitti, dcvitti, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, Dialison Vitti, Feed, Ilhota, Newsletter, Vitti, Voluntariado,

O município de ilhota foi beneficiado com um kit de 12 metros.

Ilhota e outros municípios catarinenses continuam recebendo kit´s de transposição de obstáculos, após as chuvas no Estado. A Defesa Civil de Santa Catarina já entregou mais de 90 pontes, em Santa Catarina. Isso representa mais de 65% do total que precisa ser repassado aos municípios atingidos.

Os kit´s de transposição de obstáculos começaram ser entregues no início desse ano e tem como objetivo substituir pontes e pontilhões danificados pelo tempo ou que foram levados por enxurradas. Construído em concreto, é pré-fabricado e pode suportar até 70 toneladas.

As pontes possuem entre 5 metros e 12 metros de comprimento. Os custos variam de pouco mais de R$25 mil e chegam a casa dos R$ 60mil.

De acordo com o Diretor de Resposta aos Desastres da Defesa Civil de Santa Catarina, James Rides houve um pequeno atraso no cronograma devido aos eventos climáticos. No entanto, algumas cidades que fazem parte do lote dois foram atendidas com antecedência devido a necessidade de urgência. “Benedito Novo, Rio dos Cedros e Canoinhas precisaram dos kit´scom urgência, já que comunidades ficaram isoladas após as pontes antigas terem sido levadas pelas chuvas”. Disse.

A empresa responsável pela fabricação e montagem dos kit´s de transposição continua a entrega das pontes. O município mais recente a receber a equipe foi Paulo Lopes. A previsão é que Rio Fortuna receba o kit nessa sexta-feira, 11 e Lauro Muller no sábado, 12. Cocal do Sul também deve receber nos próximos dias.

Cada kit custa em média 50% do custo convencional de uma ponte. O tempo de montagem é recorde, em média duas horas. No projeto da SDC/SC, a ponte é cedida pela Defesa Civil e as cabeceiras são de responsabilidade dos municípios.

Defesa Civil Estadual realiza Campanha “Municípios em Ação” em Blumenau

Defesa Civil SC

Representantes da Secretaria de Estado da Defesa Civil estarão em Blumenau na próxima terça-feira (11) para a campanha de sensibilização “Municípios em Ação – A importância da criação e estruturação da Defesa Civil local”. O encontro reunirá secretários municipais de Defesa Civil e os prefeitos eleitos e reeleitos dos municípios que compõem as Secretarias Regionais de Blumenau e Timbó, reunindo representantes de 12 municípios (Blumenau, Pomerode, Gaspar, Ilhota, Luiz Alves, Timbó, Indaial, Ascurra, Benedito Novo, Doutor Pedrinho, Rio dos Cedros e Rodeio). O evento ocorrerá, às 15h, no auditório da SDR Blumenau (Rua Braz Wanka, 238 – Vila Nova).

É no município que os desastres acontecem e é importante que o governo municipal esteja consciente da necessidade de estruturar o órgão de proteção e de Defesa Civil. Queremos sensibilizá-los e convidá-los para que juntos, possamos proteger nossas comunidades dos desastres que estão cada vez mais frequentes, ressaltou o secretário Geraldo Althoff.

Na programação, o secretário apresentará um audiovisual e fará a entrega de uma cartilha que contém, entre os conteúdos, o passo a passo para criar e estruturar uma Coordenadoria Municipal e as competências do município conforme a Lei nº 12.608. Os encontros recebem o apoio da Federação Catarinense de Municípios (FECAM) por meio das Associações de Municípios e das Secretarias de Desenvolvimento Regionais (SDRs).

Serão 21 encontros compreendendo todas as regiões do Estado. Durante as visitas pelas regiões, o secretário Geraldo Althoff também se reúne com os reitores das universidades que compreendem o sistema Acafe. “Nossa intenção é promover a aproximação da academia com os problemas relacionados aos desastres. Queremos fomentar a participação das instituições universitárias, visando o desenvolvimento de estudos e pesquisas que busquem reduzir os riscos de desastres em Santa Catarina.” destaca Althoff.

Diagnóstico – a Secretaria da Defesa Civil realizou um diagnóstico junto aos municípios catarinenses para verificar como está a situação das defesas civis locais no Estado. A pesquisa foi realizada por meio dos coordenadores regionais de defesa civil, que realizaram visitas aos municípios. Das 293 cidades catarinenses: 28 contam com estrutura própria de defesa civil; 45 possuem algum equipamento (computador, telefone, GPS entre outros); 231 possuem um coordenador municipal nomeado; 93 integram o Plano Diretor; 49 possuem Plano de Contingência; 89 contam com mapeamentos de áreas de risco; nove têm Núcleos de Defesa Civil; 36 têm cadastro de voluntários; 35 possuem Fundo Municipal de Defesa Civil; 54 desenvolvem algum tipo de ação com foco em prevenção e 51 realizam atividades junto às comunidades.

AMFRI e SEDEC realizam Oficina de Preparação para o Período das Chuvas

Logo da Defesa Civil de Ilhota

A oficina de Preparação para o Período de Chuvas acontecerá nos dias, 26 e 27/11 durante todo o dia. O local para a realização será a sede da Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí – AMFRI localizada em Itajaí. O objetivo principal é capacitar técnicos e gestores em Defesa Civil como multiplicadores para construção do Plano de Contingência de Proteção e Defesa Civil e planejamento para a realização de Simulados de Preparação para Desastres.

No primeiro semestre, os 9 estados do Nordeste (AL, BA, CE, MA, PB, PE, PI, RN e SE) sediaram os simulados envolvendo mais de 1.200 participantes. Estes treinamentos, muito comuns em países como Estados Unidos, foram intensificados pelo Ministério da Integração Nacional em 2011, com a realização de simulados em vários estados, como Paraná e Rio Grande do Sul.

O evento terá início na próxima segunda-feira, em Itajaí, coordenado pela Secretária Nacional de Defesa Civil – SEDEC em parceria com a AMFRI. O Plano de Ação e atividades da Secretaria Nacional de Defesa Civil, o Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2ID), e o Plano de Contingência de Proteção e Defesa Civil serão os temas discutidos. Além disso, a oficina oportunizará a realização de simulações e os participantes receberão material sobre a legislação e plano de Contingência.

Os representantes municipais interessados em participar da oficina, podem se inscrever enviando e-mail paracolegiados@amfri.org.br informando o nome ou através do telefone (47) 3404-8000.

Para mais Informações: Assessoria de Comunicação AMFRI – (47) 3404-8000 ou imprensa@amfri.org.br.

Defesa Civil Estadual e Fecam promovem curso gratuito de capacitação técnica em Itajaí

Defesa Civil Estadual e Fecam promovem curso gratuito de capacitação técnica em Itajaí

A Secretaria de Estado da Defesa Civil, em parceria com a Federação Catarinense de Municípios (Fecam), realiza, do dia 12 a 27 de julho, a Capacitação Técnica em Situações de Risco e Desastre na sede da Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí (Amfri). O objetivo é aumentar a integração e melhoria nos resultados aos profissionais de assistência social, saúde, educação, psicologia, direito, defesa civil e áreas que atuam especificamente em casos de desastres na região.

As inscrições são gratuitas e já podem ser efetuadas [AQUI].

O curso conta com três módulos na programação e terá uma carga horária total de 45 horas. O primeiro acontece no dia 12 e 13 de julho e trata sobre a estrutura e atribuições da Defesa Civil, a resposta a situações de risco, a comunicação de alerta em desastre. Nas semanas seguintes, o II e III focam em assuntos como gerenciamento de abrigos, articulação entre os serviços e a rede socioassistencial, a integração de ações nos planos municipais de contingência, a psicologia dos desastres, entre outros temas. O aluno que se inscrever, além das palestras, ganhará um CD, que inclui os materiais da capacitação, e um certificado de conclusão com registro na Secretaria de Estado da Educação.

As aulas serão ministradas em Itajaí, na sede da Amfri, com docentes do próprio corpo técnico da Defesa Civil Estadual e convidados. A capacitação conta com o apoio das Associações de Municípios de Santa Catarina e Secretarias de Estado de Desenvolvimento Regional. Para mais informações, entre em contato pelo telefone (48) 3221 8800 ou pelo e-mail egem@egem.org.br.

Seminário discute percepção de risco, planejamento e gestão de desastres

I Seminário de Gestão de Riscos e Desastres

No último dia 23 do mês passado, inicio o I Seminário de Gestão de Riscos e Desastres, das 8 às 19 horas, no auditório C do Campus Unisul na unidade Pedra Branca, em Palhoça. A proposta do encontro é aproximar a prática da Defesa Civil com a academia, propondo ações que visem à compreensão do gerenciamento de riscos e desastres aos profissionais especializados na área.

O evento faz parte da Semana Estadual de Ações de Defesa Civil e é organizado pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), com o apoio da Secretaria de Estado da Defesa Civil.

O seminário deve focar em temas como percepção de risco, planejamento e gestão de desastres, assim como a inserção e atribuições dos campos como engenharias, geografia, comunicação e serviço social na atuação em Defesa Civil. A abertura oficial ocorre às 8h30. Em seguida, acontece o painel sobre Percepção de Risco, mediada pela gerente de capacitação, pesquisas e projetos da Secretaria, Regina Panceri. A discussão conta com o professor da Universidade Regional de Blumenau, Juarez Aumond, especializado em geologia, e a mestre em análise de risco pela King’s College de Londres, Andréia Piazza.

Pela tarde, às 13h30min, haverá a mesa redonda sobre inserção profissional na Defesa Civil. Estarão presentes para o debate: o engenheiro e Gerente de Restabelecimento, Fernando Toppan Rabelo, e a assessora de comunicação da Secretaria, Fabiane Pickusch Costa; o assistente social da Prefeitura Municipal de Ilhota, Rosi Voltolini; o professor  Giovani de Paula da Unisul; e os coordenadores das Unidades de Articulação Acadêmica (UnA) da Unisul, Luciano Bittencourt, Anelise Leal Vieira Cubas e Áureo dos Santos.

O diretor de resposta aos desastres da Secretaria de Estado da Defesa Civil, o major Aldo Baptista Neto, irá ministrar, às 16 horas, uma palestra mostrando as principais técnicas para planejamento e gestão de desastres, nas etapas de preparação, assistência, logística e reabilitação. Para finalizar o evento, às 19 horas, ocorre uma oficina sobre abordagem sócio-técnica com famílias, organizada pela Prof. Dra. Darlene de Moraes Silveira.                            

Governador lança plano de prevenção contra enchentes em Itajaí

Governador lança plano de prevenção contra enchentes em Itajaí

O Plano Diretor com ações do Estado para a prevenção e mitigação de desastres na Bacia do Rio Itajaí foi lançado pelo governador Raimundo Colombo, nesta quinta-feira (23), no Teatro Municipal de Itajaí. O objetivo é prevenir os estragos causados pelas chuvas na região, que passa a contar com medidas de precaução no controle de enchentes e escorregamentos. Na ocasião, também foi assinado o edital de licitação para contratação dos projetos de construção das comportas do Rio Itajaí-Mirim. Ao todo, são três editais que representam um investimento de R$ 135 milhões.

Segundo o governador, ao longo dos anos, a região sofre consideravelmente com as enchentes. “Lembro que em 1983, 1984, 2008 e 2011, tivemos momentos tristes devido às cheias e agora estamos propondo essas 14 medidas de impacto. Com os resultados desse projeto, poderemos ter evidências de uma região protegida por meio do monitoramento e alertas efetivos, avisando as pessoas para lhes oferecer maior segurança”, disse Colombo.

Para o secretário de Desenvolvimento Regional de Itajaí, Fabrício de Oliveira, a importância do ato se deve ao fato do Governo do Estado tratar este caso apresentando um plano arrojado. “Um verdadeiro momento histórico em um projeto ousado que, com certeza, proporcionará segurança para toda a região do Vale do Itajaí. Uma região que sofreu muito com as cheias e que agora poderá ter esse sofrimento amenizado”, ressaltou Oliveira.

O projeto de prevenção foi feito pela Agência de Cooperação Internacional (Jica) e apresentado em setembro de 2011 à Defesa Civil do Estado. A região do programa abrange 53 municípios e representa mais de 20 % da população catarinense. O plano completo compreende medidas estruturais e não estruturais. A implantação das ações propostas no Projeto de Prevenção e Mitigação de Desastres na Bacia do Rio Itajaí, no prazo de cinco anos, contribuirá para a diminuição da vulnerabilidade desta região.

O valor da implantação é de R$ 1,5 bilhão e as ações se fundamentam em: sistema de monitoramento, alerta e alarme da Bacia do Rio Itajaí, que servirá para avaliar a chegada das águas (R$ 25 milhões, no prazo 18 meses); sobrelevação das barragens de Taió e de Ituporanga (R$ 33 milhões, no prazo 36 meses), aumentando assim a quantidade de armazenamento da água em 35 milhões de litros; medidas de prevenção de escorregamentos em rodovias (R$ 54 milhões, prazo 36 meses); construção de comportas no Rio Itajaí-Mirim (R$ 44 milhões, no prazo 36 meses); construção de sete barragens de pequeno porte (R$ 211 milhões, no prazo 42 meses); construção de uma barragem de médio (R$ 95 milhões) no Rio Itajaí-Mirim.

Como prioridade seguinte, vão ocorrer obras de melhoramentos nos canais dos rios Taió, em Rio do Sul, Timbó, Ilhota, e em Blumenau; obras de melhoramentos nos canais dos ribeirões Garcia e Velha, em Blumenau; e construção de canal extravasor no Rio Itajaí- Açu.

O encontro desta quinta contou com a presença do secretário de Estado da Defesa Civil, Geraldo Althoff; prefeitos e vice-prefeitos da região; secretários municipais, secretários de Estado e secretários regionais; além de representantes políticos regionais , membros do Conselho do Desenvolvimento Regional, representantes de entidades e órgãos da sociedade civil organizada, administração portuária, autarquias, associação de moradores, empresários e comunidade.

Após a apresentação do Plano Diretor em Itajaí, o governador seguiu para Blumenau para apresentar o plano e assinar o edital de licitação para a aquisição de Radar Meteorológico. Nesta sexta-feira (24), Raimundo Colombo estará no município de Rio do Sul para assinatura do edital de licitação para contratação dos projetos de sobrelevação das barragens das barragens de Taió e Ituporanga.

Prefeitos questionam secretário Althoff por mais apoio

Prefeitos questionam secretário Althoff por mais apoio

A assembleia geral ordinária da Associação dos Municípios do Médio Vale do Itajaí (AMMVI) teve a presença do secretário de Estado da Defesa Civil Geraldo Althoff, nesta segunda-feira (13), para falar sobre os avanços na prevenção de novas catástrofes climáticas. Os prefeitos dos municípios foram bastante incisivos nos seus questionamentos e reivindicaram maior rapidez nas ações da pasta.

A vinda do secretário a Blumenau foi muito aguardada pelos prefeitos, que sentiam a necessidade de contato direto para explicar a situação da região. Em suas primeiras palavras, Althoff disse que em um ano as coordenarias de Defesa Civil estarão consolidadas e que elas foram criadas para apoiar as defesas municipais. O secretário afirmou que “o primeiro passo (para a prevenção de catástrofes) vai ser dado nos dias 23 e 24 com a assinatura dos editais de licitação dos projetos”. O prefeito de Brusque, Paulo Eccel, questionou e chamou a atenção para o fato de que os editais são dos projetos, não para a execução – levando mais tempo para se concretizarem.

De acordo com Althoff, a prioridade para o governo estadual é sempre a retenção, em segundo o escoamento e, paralelamente, o monitoramento. Na visita do governador nos próximos dias será assinado o edital para um novo sistema de monitoramento e alerta do nível dos rios da região do Médio Vale. “São ações realmente importantes que vão beneficiar todos os municípios do Vale do Itajaí”, disse o secretário.

Enchentes

Outro ponto abordado foi a definição dos papéis de cada entidade na prevenção de enchentes. O reitor da Universidade Regional de Blumenau (Furb), João Natel, pediu ao secretário um posicionamento do Estado sobre quem vai comandar essa situação para evitar desencontros de informações. “Receio que uma estrutura sem papéis definidos não dará resultados”, desabafou Natel.

O prefeito de Pomerode, Paulo Pizzolatti, pediu que seja valorizada a estrutura da Furb, que já presta serviços há anos através do Centro de Operação do Sistema de Alerta (Ceops). “O governo será pró-ativo e deverá buscar através da Epagri o encaminhamento desse tema”, respondeu Althoff.

A barragem de Botuverá, reivindicada há anos, também foi falada por Althoff, que garantiu que já há planos de execução. O prefeito de Botuverá, Zenor Francisco Sgrott, ficou feliz com a notícia, mas ponderou dizendo que a obra já foi prometida muitas vezes e nunca aconteceu. Zenor aproveitou o ensejo e sugeriu o desassoreamento do rio Itajaí-Mirim para a diminuição do risco de enchente. “Essas medidas anunciadas tem que ser tomadas. Não só conversa, tem que ter ações”, cobrou.

Conforme o secretário de estado, o desaçoreamento não é visto como prioridade porque é um processo natural do rio, “o que a água coloca, ela tira”. Esse é o entendimento dos técnicos do estado, garante.

O prefeito Paulo Pizzolatti usou o seu tempo com a palavra para lembrar que as cidades que não são atravessadas pelo rio Itajaí-Açu também sofrem com escorregamentos de terra.

Recursos

O prefeito de Indaial, Sérgio Almir dos Santos, tocou na melhor aplicação dos recursos. Segundo ele, os municípios fazem um projeto, orçam e o governo do estado executa outra obra que não era prioridade. “Os recursos não estão sendo bem respeitados. O município quer aproveitar ao máximo a verba”, exemplificou Sérgio.

Jamir Marcelo Schmidt, prefeito de Apiúna, foi na mesma direção. Para ele, quando os recursos são anunciados pelo estado, eles devem chegar, senão a população começa a cobrar. Os prefeitos foram bastante firmes ao cobrar maior respeito na execução de obras. O secretário disse que cabe ao município saber o que deve ser feito e repassar ao estado.

A prevenção de catástrofes está sendo tratada pela AMMVI mais de perto desde a criação do colegiado de Defesa Civil.

Governo do Estado libera mais de R$ 1 milhão em recursos aos municípios atingidos pela estiagem no Oeste

Estiagem castiga Santa Catarina

O governador em exercício Eduardo Pinho Moreira percorreu, nesta sexta-feira (6), as cidades do Oeste afetadas pela estiagem, para debater os problemas causados pela forte seca que atinge a região. Durante as reuniões realizadas, Moreira anunciou a liberação de R$ 1,2 milhão para ajuda emergencial às comunidades. “Pela primeira vez o dinheiro chegou antes do governador. Desde ontem, os recursos já foram disponibilizados às regionais para auxiliar os 54 municípios atingidos pela estiagem no  Estado”, comentou Moreira.

A equipe técnica do Governo iniciou o roteiro em Chapecó, onde destinou R$ 136,9 mil para oito municípios de abrangência da SDR. Os recursos são repassados conforme o número de propriedades rurais de cada região. “Em Chapecó, temos mais de seis mil famílias atingidas, e iremos repassar os recurso conforme a necessidade de cada cidade”, destacou o governador. Além de Chapecó, foram liberados durante a manhã valores na ordem de R$ 142 mil para as dez comunidades da região de Xanxerê, e seis municípios da SDR Quilombo receberão um total de R$ 97,1 mil.

Na sequência, o governador seguiu para a Regional de Maravilha e conversou com os prefeitos das regiões de Palmitos e Maravilha. Para essas regionais, foi repassado mais de R$ 400 mil, sendo R$ 256 mil para os 12 municípios da SDR Maravilha, e R$ 147,5 mil para os seis municípios de Palmitos. “Os recursos serão destinados para o transporte de água às famílias e animais, bem como a terceirização de equipamentos para produção
de silagem e outras atividades que possam amenizar de imediato a situação de estiagem”, informou o secretário da Agricultura em exercício, Airton Spies.

Seguindo o roteiro, a comitiva técnica debateu com as regionais de São Miguel do Oeste, Dionísio Cerqueira e São Lourenço do Oeste os principais problemas da falta de água. Durante a reunião, foram destinados R$ 54,6 mil para Dionísio Cerqueira, que atenderá inicialmente três municípios; R$ 132,7 mil para quatro municípios em situação de emergência em São Miguel do Oeste; e R$ 32,8 mil à três cidades de São Lourenço do Oeste na
primeira etapa. “Essa é a primeira leva de recursos que o Estado está destinando aos locais em situação de emergência. Temos uma grande preocupação, pois cada dia mais municípios estão decretando estado de emergência. Iremos também, em busca de apoio do Governo Federal, para auxiliar ainda mais as propriedades rurais, inclusive para trabalhar em prol da prevenção, como projetos de cisternas, por exemplo”, frisou
Eduardo Pinho Moreira.

Para agilizar a liberação dos seguros do Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) aos produtores rurais, uma equipe de técnicos da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) está trabalhando em horário de plantão para a aprovação imediata dos laudos periciais. O processo normal é de 15 dias, mas conforme solicitação do governador, será feito em cinco dias. “Os agricultores
poderão retirar seus seguros para amenizar os prejuízos causados pela estiagem”, informou o presidente da Epagri, Luiz Hessmann.

Santa Catarina participa de Simulado de Preparação para Desastres

Defesa Civil SC

No sábado (26), a partir das 5 horas da manhã, aproximadamente 500 moradores das ruas Cristina, Otto Metzner, Frederico Kôrte e João José Garcia Júnior, do bairro Velha Pequena, em Blumenau, participarão do Simulado de Preparação para Desastres, organizado pela Secretaria Nacional de Defesa Civil, com o apoio da Secretaria de Estado da Defesa Civil e da defesa civil municipal. Blumenau e outras quatro cidades brasileiras receberão o treinamento com o objetivo de capacitar moradores de áreas de risco para atuar de forma preventiva em situação de desastre. Simultaneamente, a atividade vai ocorrer em comunidades de São Paulo (SP), Contagem (MG) e Vitória (ES).  Em 2008, na comunidade do bairro Velha Pequena, foram registrados seis óbitos por escorregamentos.

Coordenados pela Secretaria Nacional de Defesa Civil (Sedec), do Ministério da Integração Nacional, os exercícios objetivam ensaiar uma retirada de emergência de famílias que vivem em áreas de risco e sob ameaça de chuva forte. Além disso, a ação busca consolidar procedimentos e conteúdos para a criação de um sistema permanente de monitoramento, alerta e alarme. As comunidades terão conhecimento do quanto é importante saber agir em caso de um alerta da Defesa Civil para salvar vidas, tanto antes quanto depois da situação adversa.

O Simulado de Preparação para Desastres faz parte de um programa desenvolvido pela Secretaria Nacional desde maio desse ano, em parceria com as coordenadorias estaduais e municipais de Defesa Civil. As cidades selecionadas são aquelas, historicamente, mais afetadas por escorregamento. A ideia do órgão nacional é ampliar o programa para mais municípios e realizá-los de forma regular e permanente.

Como vai funcionar

Nesta sexta-feira (25), a Defesa Civil Nacional, por meio do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), emite o alerta de fortes chuvas para o município via Secretaria de Defesa Civil de Santa Catarina. Algumas horas depois, o órgão confirma a previsão e reproduz o alerta para a Defesa Civil local e demais órgãos envolvidos.

Com o alerta confirmado, a Defesa de Blumenau entrará em contato com os coordenadores das ruas da Velha, previamente designados para avisar a comunidade da região. No sábado pela manhã, os moradores iniciam a desocupação de suas residências e se abrigam na Associação de Moradores da
Velha Pequena (Rua José Reuter, 2412, Velha Central), local onde serão cadastrados e recebidos pela Defesa e pela Assistência Social. Na Associação, a comunidade será recebida com um café e uma palestra com orientações sobre situações de risco.

Durante a simulação será mobilizado o Corpo de Bombeiros, com forças-tarefa de Blumenau, Rio do Sul, Balneário Camboriú e Itajaí, que farão treinamentos paralelos. Participam ainda o Exército, com a segurança do abrigo, o Samu, as Polícia Militar e Civil, além das Defesas Civis de outras cidades de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul.