A ação judicial para salvar o planeta

A ação judicial para salvar o planeta

Uma ação judicial pode frear o Trump de destruir nosso planeta. E o melhor de tudo é que… é uma ação proposta por 21 crianças!

Pois é! Após inúmeras tentativas do governo de derrubar este caso, um juiz finalmente decidiu que os 21 jovens processando o governo americano possuem o direito constitucional a um clima seguro. Agora, um tribunal Federal vai analisar o caso contra o presidente americano! Se vencerem, Trump será obrigado a colocar limites na indústria de combustíveis fósseis. Esse caso pode mudar tudo.

Mas elas são apenas crianças de pequenas cidades dos EUA. Elas contam com um pequeno e motivado time de advogados, mas não possuem recursos para enfrentar Trump e a indústria do petróleo. Por isso, elas pedem nossa ajuda.

Nossa comunidade tem um poder sem igual para mobilizar os fundos necessários até o dia da audiência e fazer dessa uma causa global, levando este caso para outros tribunais e países. O caso destas crianças destemidas pode ser nossa última e melhor chance de frear a guerra de Trump contra nosso planeta. Contribua com uma pequena quantia agora  com apenas um clique e assim poderemos ajudá-las e continuar promovendo campanhas por um futuro saudável.

Trump disse que vai retirar os EUA do Acordo de Paris. Ele e seus comparsas da indústria petroleira estão fazendo de tudo para desmobilizar os esforços contra as mudanças climáticas. Só que eles não podem comprar uma decisão judicial. Foram juízes que derrubaram o decreto de Trump que proibia a entrada de muçulmanos no país, e agora, são também juízes que podem forçá-lo a manter o compromisso pelo clima.

Ações judiciais já dão resultados. Em 2015, os holandeses processaram seu governo exigindo que cortassem a emissão de CO2 aos níveis recomendados por cientistas. Essa foi a maior vitória judicial a favor do clima da história. O mais interessante dessas decisões judiciais, é que elas desencadeiam um efeito dominó: um caso pode abrir precedente para outras decisões. Não se trata apenas de Trump — esse caso vai nos permitir cobrar ações mais rápidas de todos os governos e exigir que parem de blábláblá.

Essa ação judicial coletiva foi proposta por jovens entre 9 e 21 anos e um grupo de advogados da organização Our Children’s Trust. Os recursos servirão para apoiar os melhores advogados para que construam “O” caso, coletar provas, tornar esses jovens heróis mundialmente famosos, promover campanhas e apoiar casos semelhantes em outros países, bem como cobrir os custos de viagem das 21 crianças e seus familiares para que possam comparecer ao tribunal e defender seu caso.

2016 foi o ano mais quente já registrado na história da humanidade. Nosso clima é delicado e instável: a última era glacial levou apenas 6 meses para tomar o planeta. Pode parecer um exagero, mas essas crianças têm nosso futuros em suas mãos.

Apenas nossa comunidade pode fazer isso, mais ninguém. Nós mudamos as regras do jogo com a Marcha Global pelo Clima e lutamos para que o Acordo de Paris abrisse o caminho para um futuro 100% limpo. Agora, precisamos nos mobilizar novamente para apoiar essa batalha no estilo Davi e Golias e ajudar a garantir um futuro para todos nós.

Com esperança e determinação,
Alice, Danny, Nick, Camille, Spyro e todo time da Avaaz.

Mais informações

Alterações climáticas: Trump rasga acordo de Paris

No dia da eleição de Donald Trump, a comissão política do Bloco de Esquerda salientou:

A eleição de Trump é um perigo global, pela sua declaração de guerra contra o planeta, feita logo na campanha eleitoral. Os EUA, a segunda maior economia do mundo, têm agora um presidente que nega a existência de alterações climáticas e quer cancelar o acordo de Paris.

A decisão, já esperada, anunciada nesta quinta-feira, 2 de junho de 2017, por Donald Trump de rasgar o acordo de Paris, confirma a análise bloquista de novembro passado.

“Para proteger a América e os seus cidadãos, os EUA vão sair do Acordo de Paris”, afirmou Donald Trump, mas na verdade não se trata da proteção do país e dos seus cidadãos, mas da sua decrépita indústria petrolífera e dos seus poderosos acionistas.

Ao rasgar o acordo, o presidente dos EUA diz demagogicamente que está pronto para negociar um novo acordo sobre o clima “em termos justos para os Estados Unidos”, quando são os EUA os maiores responsáveis pelas alterações climáticas e atualmente o segundo país que mais negativamente contribui.

“A partir de hoje os EUA vão cessar a aplicação de todos os termos do Acordo do Clima de Paris”, disse Trump, mas anunciou logo a disposição em entrar de imediato em negociações. “Vamos sair, mas vamos começar logo a negociar para fazer um negócio que seja justo para os EUA”, afirmou o presidente norte-americano, mas foi também dizendo “Se conseguirmos, óptimo. Se não conseguirmos, também está tudo bem”.

Como afirmou Michael Löwy, em entrevista ao esquerda.net: “Trump representa a oligarquia fóssil e o negacionismo climático, a receita para a catástrofe ecológica”.

Em resposta à declaração de Donald Trump, França, Itália e Alemanha emitiram um comunicado conjunto afirmando que o acordo de Paris não pode ser renegociado. “Consideramos que o impulso gerado em dezembro de 2015 em Paris é irreversível e acreditamos firmemente que o Acordo de Paris não pode ser renegociado, pois é um instrumento vital para o nosso planeta, sociedades e economias”, afirmaram os três países em comunicado, segundo o Público.

Fonte: Bloco de Esquerda

SOS planeta

Acordo de Paris

O Acordo de Paris foi um dos grandes assuntos da cimeira do G7, em que se reuniram os chefes de Estado de Alemanha, Canadá, França, Itália, Japão, Reino Unido e, claro, dos Estados Unidos. No coro de vozes que se juntaram, a desafinação em matéria ambiental foi de Donald Trump, que teimou em não assumir o compromisso norte-americano com o Acordo de Paris. “Os Estados Unidos estão atualmente a reavaliar a política climática” foi a frase lacônica que resumiu o assunto no final da cimeira. A notícia da retirada dos Estados Unidos deste acordo não tardou a chegar.

O Acordo de Paris é uma proposta insuficiente para a redução dos gases com efeito de estufa. A própria ONU dizia que este acordo é demasiado pouco e chega demasiado tarde. A proposta é a de limitar o aquecimento global a um aumento de 2° C acima dos níveis pré-industriais. Se esta meta for alcançada, não evitará a subida do nível do mar e o aumento de situações de seca, com particular impacto nos Estados insulares e países mais pobres. Contudo, mesmo este objetivo tímido obriga a uma alteração relevante e a cortes mais drásticos nas emissões globais com origem no carvão, petróleo e gás. Se o Acordo de Paris não for cumprido, os cientistas dizem que a subida da temperatura média global será de 4º C, o que terá resultados devastadores. Se o acordo é mau, não haver cumprimento do acordo é um desastre.

O caminho de Trump não tinha deixado grandes dúvidas sobre as suas intenções. Começou por negar a existência de alterações climáticas dizendo que é “mentira global muito cara” e acusou os cientistas que se dedicam ao tema de serem “impostores”. O alinhamento com vários dos falcões da indústria petrolífera é clara e entre os seus primeiros decretos executivos estão a garantia e a continuação de dois oleodutos (Keystone e Dakota), isentando-os de avaliação de impacto ambiental e reduzindo os requisitos legais. O resultado está à vista: já há fugas reportadas e comunidades afetadas por estes derrames.

A escolha de Scott Pruitt para a Agência de Proteção Ambiental (EPA), profundamente alinhado com os interesses da indústria petrolífera, foi mais um marco da (in)sensibilidade ambiental de Trump: O novo chefe da EPA é o autor da frase: “Não concordo que [o dióxido de carbono] seja o responsável pelo aquecimento global.” Esta terraplanagem dos factos científicos, que descredibilizou os próprios técnicos da agência ambiental que lidera, é a marca da sua visão ambiental. Não estranha portanto que uma das suas primeiras medidas tenha sido o corte em mais de 30% no orçamento da EPA, eliminando programas de eficiência energética e de produção limpa de energia.

O passo seguinte de Trump foi dar a ordem para rever os limites dos parques naturais federais e o enquadramento legal para permitir a prospecção de petróleo, eliminando igualmente uma moratória para a extração de carvão em terras federais. E, last but not the least, é claro que o sonho antigo das petrolíferas para explorarem as reservas no Alasca também está a ser atendido e o processo está em curso. Os milhões que as petrolíferas investiram na campanha de Trump estão rapidamente a ser pagos com juros elevados.

A ideia de Trump resume-se facilmente: as preocupações ambientais são um empecilho ao seu modelo econômico. Porquê? Porque a América great again é uma declaração de guerra ao planeta, sem preocupações ambientais (ou laborais, já agora), que pretende a pilhagem rápida dos recursos naturais e nega as alterações climáticas. O quero, posso e mando é o lema. Conclusão: o projeto de Trump é uma ameaça ao nosso presente e ao nosso futuro.

Os Estados Unidos são a maior economia do mundo e o segundo país com mais emissões de gases com efeitos de estufa. Só a China lhes passa à frente na emissão destes gases nocivos. A saída dos Estados Unidos do Acordo de Paris não é só uma questão de egoísmo nacional ou saudosismo produtivista, é um ataque a todos nós.

As alterações climáticas já estão a afetar a maior parte da vida na Terra, tendo já impacto em 82% de todos os ecossistemas. O tempo está a esgotar-se para impedir uma situação irreversível e garantir a salvação da biodiversidade e dos ecossistemas. Exige-se uma ação mundial concertada para fazer frente ao desrespeito ambiental da liderança norte-americana. Não vamos deixar Donald Trump mandar no planeta!

Por Pedro Filipe Soares Esquerda.Net

Trump quer fazer o quê??

Trump

Dentro de poucos dias, o presidente Trump poderá retirar os EUA do Acordo Climático de Paris! A única maneira de evitar sua saída é ter certeza que outras seis potências globais, que também assinaram o acordo, sejam um obstáculo.

Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e Reino Unido se encontrarão na cúpula anual do G7. Todos os líderes, com exceção de Trump, comprometeram-se em proteger o Acordo, mas isso não garante que eles resistam à pressão que Trump pode exercer durante as reuniões de bastidores. Por isso, temos que expor esse absurdo e dizer: nem a pau!

Esse acordo é nosso. Ele foi assinado por 197 países e não podemos permitir que Trump o destrua. Clique para exigir que os líderes protejam o Acordo e compartilhe com todo mundo: Diga aos líderes do G7 para proteger o movimento global pelo clima.

Pesquisas recentes mostram que o planeta está aquecendo ainda mais rapidamente do que se sabia na época em que assinaram o Acordo Climático de Paris. Temos que agir depressa contra as mudanças climáticas, sem perder um minuto sequer com a ignorância de Trump e sua obsessão com os combustíveis fósseis.

Urso polarAlemanha, Itália e França disseram que vão continuar lutando pelo clima. No entanto, os primeiro-ministros do Canadá, Justin Trudeau, e do Reino Unido, Theresa May, estão dando sinais assustadores de que podem se curvar perante o Trump. Por isso é crucial reivindicar que todos os seis líderes se comprometam em respeitar as metas do Acordo de Paris independentemente da permanência ou não dos EUA, e que Trump sofra consequências caso siga adiante com seu plano.

Se divulgarmos ao máximo esse caso e colocar o peso da decisão sobre os outros líderes do G7, eles podem se sentir responsáveis e se comprometer ainda mais com o combate às mudanças climáticas. Vamos provar a Trump e seus comparsas a favor dos combustíveis fósseis que se colocarem nosso planeta em perigo, nosso movimento irá revidar e seguiremos em frente. Diga aos líderes do G7 para proteger o movimento global pelo clima.

Tudo o que amamos está em perigo. Lutamos durante anos para que acordos climáticos fossem aprovados e agora, por causa do Trump, estamos sob ameaça de perder tudo. Isso não pode acontecer. Para impedi-lo, será necessário ação coletiva com a participação de cada um de nós. Vamos nos manter fortes e unidos para proteger nosso futuro.

Com esperança e determinação, Alice, Iain, Marigona, Nick, Fatima, e toda a equipe da Avaaz.

Mais informações

Posicione-se contra o discurso de ódio de Trump e a favor dos refugiados!

Diga não ao discurso de ódio de Trump!

Diga não ao discurso de ódio de Trump!

Anistia Internacional, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツHoje, temos 21 milhões de pessoas fugindo de guerras e perseguições que precisam com urgência do acolhimento de países onde elas possam reconstruir suas vidas.

Justo no momento em que é necessário MAIS acolhimento, o presidente Trump assinou um decreto que PARALISA o programa de acolhida de pessoas refugiadas dos Estados Unidos e PROÍBE a entrada nos EUA da população de sete países do mundo – todos de maioria muçulmana. Junte-se a nós para pedir que o governo dos Estados Unidos revogue esse decreto imediatamente!

O decreto também SUSPENDE a acolhida de pessoas refugiadas da Síria – país que vive uma guerra civil gravíssima há quase 6 anos  – e REDUZ o compromisso estabelecido pelos Estados Unidos de, em 2017, aceitar 110 mil pessoas refugiadas para apenas 50 mil. Essa é uma medida discriminatória inaceitável. Não podemos assistir em silêncio!

Mande um email para o embaixador dos Estados Unidos no Brasil pedindo que o presidente dos EUA revogue imediatamente essa política baseada em ódio e discriminação, que vão na direção contrária de tratados internacionais de direitos humanos assinados pelo país.

Ainda há tempo para reverter parte do estrago causado por este decreto, os Estados Unidos devem revogá-lo imediatamente de forma que:

  • O programa de acolhida a pessoas refugiadas seja retomado;
  • O veto à entrada de pessoas do Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen nos EUA seja levantado e essas pessoas voltem a ter acesso aos procedimentos normais de pedido de visto;
  • O veto à acolhida de pessoas refugiadas da Síria seja levantado e a população afetada por esse conflito tenha acesso aos procedimentos normais de solicitação de refúgio;
  • O compromisso declarados pelos Estados Unidos de reassentar 110 mil pessoas em 2017 seja cumprido integralmente.

Juntos podemos mudar essa história!

Anistia Internacional Brasil

Violência na América Central agrava a crise de refugiados!

O muro de Trump contra América Latina

Anistia Internacional, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツO  presidente dos Estados Unidos assinou um decreto tornando ainda mais difícil para pessoas refugiadas migrarem para lá. Muitas delas vêm dos países mais violentos da América Central: Honduras, El Salvador e Guatemala. A situação de violência urbana nesses lugares gera mais mortes que na maioria dos conflitos armados no mundo. Exija destes governos medidas contra a violência!

Antes, muitas pessoas migravam da América Central para outros países simplesmente em busca de uma situação econômica melhor. Hoje em dia há tantos casos de ameaça, perseguição e conflitos entre gangues e forças policiais que muitas famílias estão sendo obrigadas a deixarem suas casas por uma questão de sobrevivência.

A maioria dessas crianças, mulheres e homens tentam migrar para o México e os Estados Unidos, porém com políticas migratórias cada vez mais desumanas em vigor no mundo todo, muitas têm seus pedidos de refúgio negados e são deportadas de volta a seus países de origem. Depois desse retorno forçado ficam ainda mais vulneráveis à violência da qual tentaram fugir. Pressione os governantes de Honduras, El Salvador e Guatemala para que eles se comprometam com a proteção de nossas irmãs e irmãos latino-americanos.

Anistia Internacional Brasil

Envie um e-mail para o presidente Trump! Posicione-se contra a discriminação

Obrigado por se posicionar contra a política discriminatória do Presidente Trump

Na semana passada, o Presidente Trump assinou uma nova Ordem Executiva, trazendo de volta as medidas que discriminam pessoas nascidas em seis países de maioria muçulmana, incluindo refugiados. A nova Ordem também impede temporariamente que refugiados de qualquer país sejam reassentados nos EUA.

Esta Ordem Executiva pode afetar famílias que escaparam dos escombros de Aleppo ou fugiram da guerra e da fome no Iêmen. São pessoas que fogem de conflitos e outras ameaças sérias e precisam de proteção.

Mande um email agora para o presidente Donald Trump e diga que o governo dos EUA deve revogar esta Ordem Executiva discriminatória. Cabe a nós garantir que o presidente americano não abuse do seu poder!

Anistia Internacional

Trump toma posse como o 45º presidente dos EUA, mas você sabem como funciona as eleições americanas?

Cabine de votação das eleições americanas

No dia 8 de novembro de 2016, ocorreram as eleições americanas. Foram escolhidos o novo presidente (o republicano Donald Trump), 34 novos senadores, todos os 435 deputados e mais 12 governadores. Apesar de ser uma democracia, os Estados Unidos possuem um sistema eleitoral diferente do nosso em muitos aspectos. Confira algumas delas a seguir.

O colégio eleitoral escolhe o presidente, não o voto popular

A diferença mais gritante entre as eleições brasileiras e as americanas é que um presidente americano pode ser eleito mesmo sem obter a maioria dos votos. É isso mesmo, não é o voto de cada eleitor que conta no resultado final. Quem de fato elege o novo presidente é um Colégio Eleitoral. São os 538 delegados desse Colégio que têm a palavra final sobre o resultado da eleição. Para um presidente ser eleito, precisa do voto de pelo menos 270 delegados – ou seja, maioria absoluta.

Cada estado possui certo número de delegados no Colégio Eleitoral. Essa quantidade é proporcional à população dos estados. A Califórnia é o estado mais populoso do país e, por isso, possui o maior número de delegados, 55. Depois vem Texas (38), Nova Iorque (29) e Flórida (29).

E como votam os delegados? A maioria dos estados obriga todos os delegados do Colégio Eleitoral a votar no candidato mais votado no estado. É a regra conhecida como “winner takes all” (o vencedor leva tudo). As únicas exceções são Maine e Nebraska, em que os votos do Colégio são distribuídos proporcionalmente à votação dos candidatos.

Ou seja, o que realmente importa nas eleições americanas é a disputa nos estados, sobretudo em estados cuja votação é menos previsível – estes são chamados de swing states, que ora preferem o candidato democrata, ora o candidato republicano. Exemplos de swing states são Flórida e Pennsylvania, que neste ano registraram mais votos para Trump.

A regra do “vencedor leva tudo” é apontada como um dos motivos por que candidatos independentes ou de partidos menores não tenham chances reais de vencer a disputa. Isso porque votar em um candidato do partido menor pode tirar força de uma das candidaturas maiores (do partido democrata ou do partido republicano). Veja o seguinte exemplo: um grupo de eleitores normalmente vota no partido democrata. Entretanto, esses eleitores resolvem votar em um candidato do Partido Verde. Isso significa que uma parte dos votos esperados para a candidatura democrata é dividida com uma candidatura menor. Quem mais se beneficia disso é o candidato republicano, que vê seu adversário conquistar menos votos do que poderia.

O candidato mais votado corre o risco de não se eleger

A regra de destinar 100% dos votos do Colégio Eleitoral ao candidato mais votado nos estados também dá brecha para que um candidato com menos votos populares no total ainda tenha chances de ganhar a disputa. O sistema de Colégio Eleitoral já permitiu que quatro presidentes dos Estados Unidos com votação popular menor que o adversário vencessem a eleição. Em 2000, o candidato democrata Al Gore teve cerca de meio milhão de votos a mais que seu adversário, George W. Bush. Mas não foi eleito porque terminou com 266 votos do Colégio Eleitoral, contra 271 de Bush.

E agora, em 2016, esse fenômeno voltou a ocorrer. Donald Trump, candidato do partido republicano em 2016, venceu a votação no Colégio Eleitoral, com 290 votos. Mas as apurações indicam que sua rival, a democrata Hillary Clinton, venceu no voto popular. Hillary teve apenas 228 votos do Colégio Eleitoral.

O sistema é bipartidário, mas existem muitos outros partidos e candidatos

O sistema político norte-americano é monopolizado por dois grandes partidos: o democrata e o republicano. Todos os presidentes da história do país pertenceram a um dos dois partidos. Ambos também possuem os maiores números de filiados e possuem 100% das cadeiras no congresso nacional.

Esse domínio dos dois maiores partidos faz com que o sistema político dos Estados Unidos seja considerado bipartidário. Mas existem outros partidos em atividade no país, todos muito menores que os dois dominantes. Muitos deles lançaram candidatos à presidência, mesmo que você não tenha ouvido falar delas. O Partido Libertário, por exemplo, concorreu com Gary Johnson. Trata-se de um partido com posições liberais, a favor do estado mínimo e da não interferência do Estado em questões sociais. Foi o único candidato além de Hillary e Trump que figurou nas cédulas de votação em todos os 50 estados. Já o Partido Verde, de vertente ambientalista e à esquerda do espectro político, teve Jill Stein como presidenciável nesta eleição.

E não para por aí. As eleições de 2016 tiveram candidatos do Partido Constitucional (conservador), do Partido Reformista (centro-esquerda) e do Partido para o Socialismo e a Liberação (extrema-esquerda). Finalmente, houve pelo menos um candidato independente com alguma relevância: Evan McMullin, ex-agente da CIA que tentou levar votos de republicanos descontentes com Trump. Vale lembrar que as candidaturas independentes são proibidas no Brasil – mais uma diferença entre as eleições dos dois países.

Cada estado tem regras eleitorais próprias

Como você já deve ter notado nas seções anteriores, o peso do nível estadual é bem importante para o sistema político e eleitoral norte-americano. Cada estado decide como serão definidos os votos do Colégio Eleitoral, por exemplo. Também é prerrogativa dos estados definir quais candidatos podem aparecer na cédula de votação. Por isso, os candidatos de partidos menores ou independentes não são votados em todos os estados, apenas naqueles em que eles conseguem atender aos critérios da legislação estadual.

Além disso, alguns estados permitem que candidatos que não aparecem na cédula de votação recebam votos, desde que o eleitor escreva o nome completo do candidato. Esse tipo de voto é chamado de write-in. O candidato independente Evan McMullin, por exemplo, podia receber apenas votos write-in em mais de 60% dos estados.

As campanhas são longas

Enquanto as eleições municipais brasileiras deste ano tiveram campanhas de apenas 45 dias, a corrida eleitoral americana se desenrola por muito mais tempo. Etapas-chave da disputa são realizadas meses antes da votação geral. Primeiro ocorrem os caucus, espécie de convenção partidária realizada pelos partidos republicano e democrata em 13 estados. Depois é a vez das primárias, que na prática são uma série de eleições internas dos partidos. Os pré-candidatos concorrem pela vaga de candidato oficial do partido, disputando votações em uma série de estados.

Outras diferanças

Obrigatoriedade do voto

  • Como é nos Estados Unidos: o voto é facultativo, o eleitor pode faltar à eleição sem sofrer qualquer punição. Na votação do dia 8 de novembro, apenas cerca de 55% dos eleitores americanos compareceram às urnas, segundo dados preliminares.
  • Como é no Brasil: o eleitor precisa comparecer às urnas ou justificar sua ausência. Historicamente, mais de 80% dos eleitores brasileiros aparecem para votar.

Registro do voto

  • Como é nos Estados Unidos: os eleitores norte-americanos votam em cédulas de papel. A cédula contém o nome de apenas alguns dos candidatos, mas em vários deles o eleitor pode escrever o nome de alguns candidatos que não estão na cédula.
  • Como é no Brasil: o Brasil utiliza urnas eletrônicas há 20 anos para registro dos votos. Todos os presidenciáveis podem receber votos em todos os lugares.

Segundo turno

  • Como é nos Estados Unidos: a votação é feita em um só turno, sem possibilidade de segundo turno. Os motivos para isso são a tendência do sistema ao bipartidarismo e o longo período de primárias antes da votação final, em que vários pré-candidatos dos principais partidos são apresentados ao público.
  • Como é no Brasil: o primeiro turno ocorre com todos os candidatos a presidente. Se nenhum deles alcançar maioria absoluta (mais de 50% dos votos válidos), os dois mais votados vão para o segundo turno.

Financiamento de campanha

  • Como é nos Estados Unidos: as campanhas presidenciais são financiadas sobretudo por doações privadas, seja de doadores individuais, comitês de ação política (chamados de PACs) e grupos cívicos. Doações diretas de empresas são proibidas, mas há uma brecha: os comitês especiais (superPACs) podem receber doações ilimitadas de indivíduos, empresas e outros grupos. Os superPACs podem fazer campanhas livremente, desde que não sejam coordenadas com o comitê de campanha do candidato. Boa parte da campanha de um candidato é feita através dos superPACs.
    Os candidatos podem também receber financiamento público, desde que cumpram alguns requisitos. Mas é comum que alguns abram mão de recursos públicos em campanha. Também vale destacar a forte arrecadação pela internet, marca das campanhas do atual presidente Barack Obama em 2008 e 2012.
  • Como é no Brasil: em 2015, o STF proibiu as doações empresariais a campanhas, declarando-as inconstitucionais. Dessa forma, os candidatos contam com doações de pessoas físicas, recursos públicos vindos do Fundo Partidário e a autodoação, que foi marca registrada nas eleições municipais de 2016.

Fonte: Politize

Eleições nos Estados Unidos e suas peculiaridades

Entenda as eleições nos Estados Unidos

Apesar de ser uma democracia, os Estados Unidos possuem um sistema eleitoral diferente do nosso em muitos aspectos. As eleições americanas possuem várias peculiaridades. Veja algumas diferenças entre as eleições americanas com as eleições brasileiras neste icnográfico.

Infografico das eleições nos Estados Unidos e suas peculiaridades

Fonte: Politize

Fim do mimimi no Facebook. Zuckerberg anuncia plano para combater notícias falsas na rede

Mark Zuckerberg e Dilma Rousseff

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, anunciou que a empresa possui planos para tentar combater a circulação de notícias falsas na rede social.

A companhia virou alvo de polêmica depois da eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos, quando usuários, pesquisadores e colunistas de jornais alegaram que notícias falsas sobre os candidatos podem ter influenciado a escolha dos eleitores.

De acordo com a BBC, o CEO informou que a empresa elabora sete propostas para combater a desinformação de modo mais eficiente, como:

  • Desenvolver sistemas técnicos mais eficientes, para detectar o que as pessoas irão denunciar como falso antes que elas façam isso.
  • Tornar mais fácil o processo de denúncia reportagens falsas.
  • Fazer parcerias com organizações de checagem de fatos.
  • Rotular os links que foram denunciados como notícia falsa e mostrar avisos quando as pessoas lerem ou compartilharem estes links.
  • Aumentar a exigência de qualidade para os links que aparecem como “relacionados” na linha do tempo.
  • Dificultar o lucro dos sites de notícias falsas com anúncios.
  • Trabalhar com jornalistas para aprender métodos de checagem de fatos.

Algumas dessas ideias irão funcionar e outras não, mas quero que vocês saibam que sempre levamos isso a sério, entendemos a importância deste assunto para nossa comunidade e estamos determinados a resolver isso
disse Zuckerberg

Em uma conferência na Califórnia, o empresário destacou que a ideia de que notícias falsas na rede social teriam influenciado as eleições era “bem maluca”. Na mensagem que publicou no último sábado (19/11), ele reafirmou que “o percentual de desinformação é relativamente pequeno”.

Portal Imprensa

A coisa ficou séria! Trump nomeia deputado ultraconservador que pediu execução de Snowden como diretor da CIA

Edward Snowden

opera mundiO presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, confirmou em um comunicado divulgado nesta sexta-feira (18/11) a nomeação do congressista Mike Pompeo, membro do movimento ultraconservador Tea Party, como o novo diretor da CIA (Agência de Inteligência Central). O nome dele ainda precisa ser confirmado pelo Senado, que terá maioria republicana.

Em 2013, Pompeo foi criticado pelas declarações que deu após os atentados da maratona de Boston, quando disse que líderes muçulmanos que não condenavam o terrorismo eram “cúmplices em potencial” de ataques terroristas.

O novo chefe da CIA também defendeu a execução de Edward Snowden em entrevista ao canal C-Span em fevereiro, na qual disse que “[Snowden] deveria ser trazido da Rússia e ser processado”. “Acho que um resultado apropriado seria que ele fosse condenado à morte por ter posto amigos meus e seus, que serviram no exército, em um risco enorme, por causa das informações que ele roubou e liberou a potências estrangeiras”, disse.

O republicano, ex-oficial do Exército, formado em Direito em Harvard, foi eleito para o Congresso pela primeira vez em 2010, como parte do movimento ultraconservador Tea Party.

O futuro diretor da CIA também se opôs ao fechamento da base militar de Guantánamo e é contra o acordo nuclear com o Irã, que considera “o maior país patrocinador do terrorismo”, segundo divulgou nas redes sociais nesta quinta-feira, antes da sua nomeação se tornar pública.

Estou ansioso para reverter esse acordo desastroso com o país que mais patrocina o terrorismo
disse Pompeo no Twitter

Apesar de ter apoiado o candidato Marco Rubio nas primárias, Pompeo disse que “apoiaria o candidato do Partido Republicano porque Hillary Clinton não pode ser presidente dos Estados Unidos”. Após a nomeação, o congressista se disse “honrado com a oportunidade de servir e trabalhar junto ao presidente eleito Donald Trump para manter os EUA seguros”. “Quero trabalhar com os guerreiros da inteligência dos EUA, que tanto fazem para proteger os americanos a cada dia”, destacou.

Opera Mundi

https://www.c-span.org/video/standalone/?c4631575

Trump, o Dr. Fantástico e os cavaleiros do Armagedom

Dr. Fantástico

Carta Maior logoO filme, do diretor norte-americano Stanley Kubrick, de 1964, aborda com humor e sarcasmo a Guerra Fria e a possibilidade de um confronto nuclear, em um ano em que, por aqui, sofríamos na carne a divisão do planeta; os EUA se envolviam cada vez mais no Vietnã e em golpes sangrentos por todo o mundo; e a opinião pública ocidental estava tomada pelo impacto da construção do Muro de Berlim, e da então recente Crise dos Mísseis em Cuba.

O personagem que dá nome à obra é um cientista “ex-nazista” (existem ex-nazistas?), preso à cadeira de rodas, que, metaforicamente, se levanta dela no final da estória, em uma representação da ressurreição do fascismo que cairia muito bem nos dias de hoje, a começar pela própria eleição de Donald Trump.

O grande ator do filme é Peter Sellers, que faz três papéis, incluído o do Dr. Strangelove.

Mas a figura que mais se identifica – até mesmo fisicamente – com o novo presidente eleito norte-americano, é, com certeza, a do Major T.J. “King” Kong, interpretado pelo ator Slim Pickens, que, como comandante da “fortaleza voadora”, salta do avião no final do filme, com um chapéu de cowboy, montado na bomba atômica como se ela fosse um cavalo, em louca e frenética, apocalíptica, celebração da destruição e da morte.

Já dissemos em um artigo anterior sobre o tema, UM MALUCO NA CASA BRANCA, que Trump representa a ascensão hipócrita da “antipolítica” – e do fascismo – ao topo do “establishment” administrativo norte-americano, e, contra tudo e contra todos, tornou-se uma espécie de símbolo para a extrema-direita do mundo inteiro, a ponto de lideranças como Marine Le Pen, do Front National francês, o terem saudado como o advento de um “novo tempo”, e de fascistas tupiniquins se manifestarem, ainda durante a campanha, em seu favor, em plena  Avenida Paulista, e contra a eleição de Hillary Clinton, uma “Dilma” norte-americana, para a Casa Branca.

Sem precisar de razões ancoradas na realidade, ou de justificativa maior que “tornar a América grande de novo”, e a rejeição aos políticos “tradicionais”, os eleitores norte-americanos, e, principalmente os delegados dos “swing-states”, que, teoricamente, poderiam ser comprados por um candidato bilionário, entregaram o poder a uma figura tão perigosa quanto controversa e imprevisível.

A polícia (também como costuma ocorrer em certos países) interferiu na campanha, a pouco mais de uma semana da eleição, lançando acusações relacionadas a emails não transcritos da candidata democrata, para depois negar, cinicamente, às vésperas do pleito, que algum indício de crime estivesse relacionado ao caso.

Seria interessante saber por que o Chefe do FBI, James Comey,  que é republicano, resolveu fazer esse desmentido na última hora.

Em política, tudo é uma questão de timing.

Feito o estrago contra Hillary, em uma campanha em que ela (como ocorreu também com outros personagens em certos países) foi tachada de corrupta sem nenhuma evidência jurídica que apoiasse essa acusação, o que aumentou o ódio – e a mobilização – dos eleitores de Trump em uma nação em que o voto não é obrigatório; talvez tenha sido preciso inocentar Hillary no último momento, não apenas para evitar acusações futuras de decisiva interferência no pleito, mas também para diminuir o ímpeto de seus eleitores, dando-lhes a certeza de que Trump certamente perderia, evitando que eles se esforçassem mais para comparecer em massa às urnas, para votar na candidata democrata.

Agora, será preciso esperar, para ver o que vai ocorrer com os EUA, e, também, com o mundo, nos próximos quatro anos, com Donald Trump na Casa Branca.

Teoricamente, ele é muito mais radical do que a candidata democrata, agora derrotada.

Mas foi ela, como Secretária de Estado, responsável pelas relações exteriores, que endossou, ou melhor, promoveu, no primeiro  mandato de Obama, alguns dos maiores erros cometidos pelos EUA, em matéria de política externa, nos últimos anos.

O seu apoio à malfadada e mentirosa “primavera” árabe, com a derrubada de Khadafi – e o seu assassinato por terroristas apoiados pelos EUA – a queda do governo no Egito, que levou os militares de volta ao poder naquele país, com a implementação de uma ditadura de fato, depois de uma eleição controversa; o maior envolvimento dos EUA no Iraque e as suas tentativas frustradas de derrubar o Presidente sírio Bachar Al Assad, ajudaram a criar um monstro chamado Exército Islâmico, destruíram países estáveis levando-os a horripilantes guerras civis, e causaram centenas de milhares de mortes, principalmente de velhos, mulheres e crianças, levando à crise dos refugiados, que obrigou milhões de pessoas a deixar os seus países para encontrar a morte nas águas do Mediterrâneo, ou enfrentar um destino amargo e incerto, em países como a Turquia, ou em uma Europa que não os quer, que neles vê um estorvo e um perigo, e que os tratará como animais, discriminando- os por sua cor e sua cultura.

Trump, paradoxalmente, parece se dar bem com regimes de força, como o chinês e até mesmo com os russos, principalmente Putin, a quem parece admirar pela sua personalidade forte e – quem sabe – seu físico de atleta.

Resta saber se isso não vai mudar depois que ele se sentar, com o seu queixo erguido e seu topete postiço, na cadeira mais poderosa do planeta, tendo, ao alcance de sua mão, os códigos para ordenar um ataque nuclear que poderia dar início ao Armagedon.

Nesse caso, com um Presidente na Casa Branca com uma trajetória menos previsível que a de um asteróide gigante dirigindo-se  para a Terra, só podemos rezar e pedir, já que os eleitores norte-americanos não o fizeram, que Deus nos ajude, a nós e a nossos filhos e netos, nos próximos anos.

Por Mauro Santayana, em Carta Maior.

Uma oração a Donald Trump

Um coletivo de pastores fazem uma oração ao próprio Donald Trump, presidente americano recém eleito democraticamente.

Uma carta aberta global para Donald Trump…

Donald Trump, Dialison Cleber Vitti, Dialison Cleber, Dialison Vitti, Dialison, Cleber Vitti, Vitti, #DialisonCleberVitti, @dcvitti, dcvitti, #blogdodcvitti, Ilhota, 2016, Newsletter, Feed

Queridos amigos,

Ele acusou os mexicanos de serem estupradores e chamou mulheres de “loira burra” e “porca gorda”. Ele prometeu fechar mesquitas, criar um cadastro de muçulmanos e separar imigrantes ilegais de seus filhos. Um recente relatório constatou que o preconceito de Donald Trump pode fazer dele uma ameaça à segurança global. Chega disso – com apenas um clique, assine a carta pública mundial contra o discurso de ódio de Donald Trump. Quando chegarmos a 2 milhões de assinaturas, publicaremos a carta em jornais ao redor do mundo:

Avaaz - Uma carta aberta global para Donald Trump, Dialison Cleber Vitti, Dialison Cleber, Dialison Vitti, Dialison, Cleber Vitti, Vitti, #DialisonCleberVitti, @dcvitti, dcvitti, #blogdodcvitti, Ilhota, 2016, Newsletter, Feed, Avaaz, Donald Trump

Trump não é o único político no mundo que explora a alienação política e o medo das pessoas para causar mais ódio. Mas ele é o único que faz isso e tem cobertura de imprensa no valor de $2 bilhões de dólares.

Podemos tirar vantagem do magnetismo da imprensa em torno de Donald Trump e dar início a uma história surpreendente sobre a rejeição global a esse tipo de discurso de ódio. Mas para isso realmente funcionar, precisamos que milhões de pessoas se unam ao apelo. Assine abaixo com apenas um clique e compartilhe com seus amigos. Se pessoas o suficiente assinarem a carta, pressionaremos outros políticos e celebridades e adicionarem seus nomes.

Vamos nos unir em um coro global contra o discurso preconceituoso de Donald Trump (clique neste link e vamos lá).

Com esperança por um mundo melhor, Stephen, Nell, David, Dalia, Nataliya, Mia, Andrew, e toda a equipe da Avaaz.

Avaaz, Trump, Donald Trump, Dialison Cleber Vitti, Dialison Cleber, Dialison Vitti, Dialison, Cleber Vitti, Vitti, #DialisonCleberVitti, @dcvitti, dcvitti, #blogdodcvitti, Ilhota, 2016, Newsletter, Feed

😀