Mãe conquista direito de trabalhar e cuidar do filho autista

Autismo

CUT BrasilPor unanimidade, a 8ª turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região SP (TRT-2) manteve a decisão da primeira instância, que garantiu a uma bancária da Caixa, mãe de uma criança de três anos diagnosticada com transtorno do espectro autista (TEA), o direito de ter sua jornada de trabalho reduzida de 8 para 4 horas diárias (20 horas semanais) sem diminuição do salário, para poder cuidar do filho. A decisão vale por um ano. A multa em caso de descumprimento é de R$ 150,00 por dia ao empregador, limitada a R$ 50.000,00, reversíveis à trabalhadora.

Na sentença, os juízes argumentaram que “todo artigo, alínea ou inciso de lei que puder conferir expressamente direitos a crianças e adolescentes com deficiência será muito bem-vindo pela comunidade jurídica nacional”.

Disseram ainda que “impedir a redução da jornada de trabalho de empregada cujo filho tem deficiência comprovada é negar uma forma de adaptação razoável de que tais indivíduos dependem para serem inseridos na sociedade em igualdade de oportunidade”.

A decisão que beneficiou a trabalhadora, alerta a secretária nacional de Políticas Sociais e Direitos Humanos da CUT, Jandyra Uehara Alves, foi tomada com base na Convenção Internacional sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência, e em leis brasileiras que foram conquistadas com muita luta pelos movimentos sindical e populares, como a Lei Brasileira de Inclusão (Estatuto da Pessoa com Deficiência) e a lei que instituiu a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista.

 

“O cumprimento dessas leis pela Justiça brasileira representa um avanço na garantia de direitos para as pessoas com deficiência filhos da classe trabalhadora, além de ser um passo rumo ao trabalho decente, uma luta histórica da Central”, diz Jandyra, que complementa: segundo definição da OIT, Trabalho Decente é um ‘trabalho adequadamente remunerado, exercido em condições de liberdade, equidade e segurança, capaz de garantir uma vida digna’.

A secretária lembra que, na luta por uma vida digna, que depende necessariamente de trabalho e emprego, as famílias com pessoas com deficiência muitas vezes não dispõem de condições para cumprir uma jornada padrão de trabalho e precisam dedicar horas do dia no acompanhamento de seus familiares, particularmente, das crianças e adolescentes, seja em  questões ligadas a educação, a saúde ou a outras atividades da vida diária que demandam cuidados nos quais familiares de uma forma geral têm de realizar.

“Jornadas reduzidas para que o arranjo familiar consiga dar conta de sua participação social e no trabalho e também da necessária inclusão social de seus familiares com deficiência são extremamente importantes e necessárias,” diz Jandyra.

Segundo ela, infelizmente, o Brasil ainda não ratificou a Convenção 156 da OIT, que trata justamente sobre o tema, o que seria mais um instrumento na luta por direitos das famílias trabalhadores e seus dependentes com deficiência.

“E quando falamos em famílias trabalhadoras, estamos falando do direito não só da mãe, mas dos pais também de terem a jornada reduzida para cuidar dos filhos”, afirma a secretária, que completa: “É necessário que essa jurisprudência garanta o direito à jornada reduzida também aos pais da criança com TEA, uma vez que atribuir exclusivamente à mãe o cuidado com os filhos é uma forma de reprodução das desigualdades de gênero. Além disso, é preciso que este direito contemple também os pais das crianças com outras deficiências”.

Para a secretária nacional de Políticas Sociais e Direitos Humanos da CUT, na atual conjuntura, em que o governo do golpista Michel Temer (MDB-SP) investe na retirada de direitos da classe trabalhadora, “essa decisão jurídica é uma exceção muito bem-vinda, pois reconhece a exclusão social de um grande segmento da população brasileira, as pessoas com deficiência, e ao mesmo tempo, promove a igualdade de oportunidades”.

CUT Brasil

Anúncios

Onde estão as crianças nas conferências sobre o trabalho infantil?

Conferência Global sobre a Erradicação Sustentada do Trabalho Infantil

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) está tendo sua IV Conferência Global sobre a Erradicação Sustentada do Trabalho Infantil em Buenos Aires nesta semana. Mas alguns estão perguntando: onde estão as opiniões de crianças em uma conferência que deveria discutir seus direitos e necessidades?

Em uma edição em Thomson Reuters Foundation, Tim Pilkington from World Vision UK, asks this simple question about how victims and survivors of child labor, including forced child labor, are represented at global conferences like this.

De acordo com as descobertas da OIT, pelo menos 152 milhões de crianças em todo o mundo são vítimas de trabalho infantil. A situação de milhões de crianças forçadas a trabalhar em campos, minas, fornos de tijolos. As crianças mais vulneráveis ​​estão sujeitas às pior formas de trabalho infantil, forçado a exploração sexual ou recrutado como soldados. Esta é uma mancha na consciência do mundo. Ela não tem lugar na 21 st  século.

Nada mudará de forma duradoura ou significativa para as crianças, se não tiverem uma palavra a dizer no futuro e se as suas vozes não forem ouvidas. Eles são os principais interessados ​​nesta questão específica. De fato, é seu direito inalienável   se envolver.

Pilkington acrescenta que crianças e jovens constantemente dizem que querem participar da formulação de políticas que afetam suas vidas. Sobre o tema do trabalho infantil, ele acredita que as crianças estão melhor posicionadas para falar sobre suas experiências e condições em seus países.

Justiça, um jovem de 16 anos de Gana, explicou que “as crianças são na sua maioria não qualificadas e oferecem uma fonte de trabalho barata, tornando-os uma opção atraente para muitos empregados gananciosos. Você pode imaginar que esses empregadores gananciosos no meu país empregam crianças tão jovens quanto 13 anos de idade? Essas crianças trabalham em campos de construção, fazendas de cacau e pedreiras, bem como nas minas”.

Para ler o artigo inteiro, clique aqui.

Freedom United

Profissionais de mídia e defensores da liberdade de expressão lançam iniciativas contra impunidade em crimes contra jornalistas

Dia Internacional para acabar com a Impunidade dos Crimes Contra os Jornalistas

Quase quatro anos depois que a Assembléia Geral da ONU declarou o 2 de novembro como o Dia Internacional para acabar com a Impunidade dos Crimes Contra os Jornalistas (IDEI, na sigla em inglês), a data se tornou uma época em que profissionais da mídia e grupos de liberdade de expressão na América Latina e no resto do mundo chamam a atenção para os níveis de violência e impunidade que afetam seus colegas.

A declaração da ONU fez parte de uma resolução que pedia que “os Estados membros façam todo o possível para prevenir a violência contra jornalistas e funcionários dos meios de comunicação, para garantir que se encontrem os culpados por meio da condução de investigações rápidas, efetivas e imparciais sobre toda a violência contra jornalistas e trabalhadores da mídia reportada e que se levem os autores de tais crimes à justiça”.

Segundo a UNESCO, foram registrados assassinatos de 930 jornalistas nos últimos onze anos. Além disso, a organização acrescentou que ninguém é punido em nove entre cada dez casos.

No ano passado, a organização informou números que mostram que, na década anterior, apenas 11% dos homicídios de jornalistas que ocorreram na América Latina e no Caribe foram resolvidos.

Como parte da campanha #MyFightAgainstImpunity (Minha Luta Contra a Impunidade), que destaca seis entrevistas com jornalistas, ativistas de direitos humanos e parentes de jornalistas mortos, a UNESCO compartilhou a história de Oscar Cantú, fundador e editor do jornal Norte em Ciudad Juárez, no México. Cantú fechou o impresso em abril de 2017 após o assassinato de uma de suas jornalistas, Miroslava Breach.

Ficar sabendo de sua morte foi traumático para mim. Não só porque perdi uma colega querida, mas também porque me fez perceber que ainda não somos capazes de exercer nosso direito de informar o público, disse Cantú à UNESCO. Desde que o Norte foi fundado, há 27 anos, as condições para o exercício do jornalismo não mudaram.

O fundador do jornal apontou que mais de 11 jornalistas foram mortos no México apenas este ano.

“Fechei meu jornal como uma forma de protesto, como uma exigência de que os criminosos que matam jornalistas sejam levados à justiça. Quando conseguirmos a justiça, vamos abri-lo novamente”, disse ele. Cantú também pediu aos meios de comunicação que lembrem constantemente o público sobre os casos não resolvidos de crimes contra a imprensa.

Para marcar o IDEI, assim como a UNESCO e Cantú, organizações de liberdade de expressão e jornalismo da América Latina e de todo o mundo publicam sobre casos de violência contra jornalistas e sobre a subseqüente impunidade dos autores crimes, e também exigem que os governos façam mais para proteger os trabalhadores da mídia.

O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) divulgou seu Índice de Impunidade Global, que mais uma vez mostrou o México e o Brasil entre os países com os mais altos níveis de impunidade em crimes contra jornalistas no mundo.

A IFEX e seus membros continuaram a campanha “No Impunity” (Sem Impunidade) para elevar “as vozes das vítimas ao cenário internacional” e exigem que “os governos defendam padrões mais elevados de justiça e responsabilidade”. Eles se concentraram em “cinco casos emblemáticos de impunidade”, incluindo o da jornalista Jineth Bedoya, na Colômbia, que foi sequestrada, torturada e agredida sexualmente por membros de grupos paramilitares, enquanto ela reportava uma história em uma prisão em 2000. Embora algumas prisões tenham sido feitas neste caso, os julgamentos estão em andamento e ela foi convocada para testemunhar no tribunal várias vezes. Ela criou a campanha #NoEsHoraDeCallar (Não é hora de ficar em silêncio) para combater a violência sexual contra as mulheres.

Para participar nas mídias sociais e compartilhar suas próprias histórias, os usuários marcaram suas postagens com hashtags como #EndImpunity (Pelo fim da Impunidade), #JournoSafe(Jornalistas Seguros) e #SayNoToImpunity (Diga não à Impunidade).

Nos dias que antecederam o IDEI, algumas organizações lançaram oficialmente projetos que não só aumentariam a conscientização a respeito dos jornalistas que foram assassinados por sua profissão, mas também asseguraram que suas investigações não fossem interrompidas.

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) começou o Programa Tim Lopes para a Proteção de Jornalistas. Nomeado em homenagem a um repórter de TV Globo morto enquanto reportava em uma favela do Rio de Janeiro em 2002, o projeto visa a investigar assassinatos, tentativas de assassinato e sequestros de profissionais da mídia e dar continuidade a seus trabalhos.

A organização Repórteres sem Fronteiras (RSF) e a Freedom Voices Network lançaram oficialmente o projeto Forbidden Stories (Histórias Proibidas), que fornece uma plataforma para os jornalistas ameaçados de publicar seus trabalhos. No caso de um jornalista não poder continuar suas investigações, possivelmente devido a ameaças ou à morte, a organização pode continuar e divulgar seu trabalho. A organização iniciou o projeto promovendo as histórias de três jornalistas recentemente mortos no México por sua profissão.

A UNESCO e o Congresso Latino-Americano de Jornalismo Investigativo (COLPIN) planejam lançar a iniciativa “Quem investiga os crimes contra os investigadores?” no congresso de 2017 em Buenos Aires, Argentina, em 2 de novembro.

“Com o objetivo de estimular reportagens investigativas sobre a questão da impunidade em crimes contra jornalistas, a iniciativa tem como principal objetivo aumentar a solidariedade entre os jornalistas latino-americanos e contribuir para a redução da impunidade e da violência contra jornalistas”, disse um comunicado da UNESCO. “O projeto incluirá a produção de quatro reportagens dirigidas a jornalistas, além de debates e divulgação de um portal da web que reunirá, publicará e divulgará as reportagens”.

E também no dia 2 de novembro, o Centro Knight, a UNESCO e a Relatoria Especial para a Liberdade de Expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) anunciaram a última edição do curso on-line “Marco Jurídico Internacional da Liberdade de Expressão, Acesso à Informação Pública e  Proteção dos Jornalistas“. Até o momento, as cinco edições anteriores deste curso capacitaram mais de 5.200 juízes e operadores de Justiça na América Latina e Espanha sobre normas internacionais que regem a liberdade de expressão, o acesso à informação e a proteção dos jornalistas.

Fonte

Ajude a acabar com o trabalho forçado

Trabalho forçado

Seu país deve agir rapidamente para adotar e implementar a lei internacional [1] para prevenir abusos, proteger as vítimas, bem como punir aqueles que se beneficiam do trabalho forçado.

Já esperamos décadas para esse novo padrão mundial resistente contra o trabalho forçado . As pessoas presas em fazendas, nas minas, nas fábricas e em todos os outros lugares onde o trabalho forçado floresce não devem aguardar enquanto nossos políticos se esforçam para colocar essa lei em prática.

Todos os países devem priorizar esse esforço para acabar com o trabalho forçado: convide o governo do seu país a adotar esta lei imediatamente. 

Esta lei – conhecida como Protocolo de 2014 [1] à Convenção 29 [2] – cria novas responsabilidades para os governos na luta contra o trabalho forçado , as principais medidas abrangem [3]:Resultado de imagem para trabalho forçado

  1. Prevenção. Os governos são obrigados a criar planos de ação nacionais para combater o trabalho forçado e apoiar os negócios para erradicar e responder ao trabalho forçado em suas cadeias de suprimentos .
  2. Melhor proteção para as vítimas. Isso inclui a salvaguarda de trabalhadores migrantes vulneráveis ​​contra práticas de recrutamento fraudulentas e abusivas.
  3. Justiça. As vítimas estão agora protegidas contra acusações por crimes que possam ter cometido como resultado direto do trabalho forçado . Eles também têm acesso à justiça, incluindo a capacidade de reivindicar compensações pelos abusos que experimentaram, onde ocorreram.

Nossa voz coletiva pode manter o trabalho forçado na agenda e garantir a ação rápida do governo do seu país . Aja agora!

Países ratificados: República Tcheca, Mauritânia, Níger, Mali, Noruega, França, Reino Unido, Panamá, Argentina, Estônia, Dinamarca, Islândia e Jamaica.

Notas

  1. A OIT adota novo protocolo para combater formas modernas de trabalho forçado.

  2. C029 – Forced Labour Convention, 1930 (No. 29).

  3. Tratado aprovado para proteger as vítimas do trabalho forçado.

Freedom United

Seis países assinaram o Protocolo à Convenção 29 da ILC para ajudar a acabar com o trabalho forçado

Trabalho forçado

Temos algumas boas notícias para compartilhar no Dia Mundial pelo Trabalho Decente! Ao longo dos últimos meses seis países adicionais assinaram o Protocolo [1] para ajudar a acabar com o trabalho forçado.

Milhares de liberdade Nações apoiantes da Jamaica, Dinamarca, Islândia, Suécia, Holanda e Espanha tomou medidas para incentivar seus governos para fazer as proteções no protocolo uma realidade. Agir de Trabalho Decente e pergunte ao seu país a assinar.*

Assinar o Protocolo de Trabalho Forçado cria novas responsabilidades para os governos na luta contra a escravidão moderna. Ele inclui medidas de prevenção, proteção para as vítimas e justiça contra os autores. Uma vez que um país tenha ratificado o Protocolo é juridicamente vinculativo sob a lei internacional, para o qual eles podem ser responsabilizados.

Mas apenas 20 países o fizeram até o momento. Diga ao seu governo que a assinatura do Protocolo torna um sério compromisso para acabar com o trabalho forçado!

Duas semanas atrás, os líderes mundiais se reuniram em Nova York, na Assembléia Geral das Nações Unidas. Trinta e sete estados assinaram um apelo à ação [2] para acabar com o trabalho forçado, o tráfico ea escravidão moderna. Mas, apesar dessas palavras, somente 5 destes países assinaram o protocolo, e não se concentrar em ações para as quais eles não podem ser responsabilizados e compromissos que não são legalmente vinculativas. Aja agora para ajudar a transformar compromissos para acabar com a escravidão moderna em ação.

Entendemos que há muitos mais governos que pretendem adicionar seu país à lista de signatários. O que está segurando-los? Esperamos que com o nosso encorajamento, esses compromissos vai se transformar em ação.

Em solidariedade,
Joanna, Sharan e todos da Freedom United e da International Trade Union (Confederação Sindical Internacional)

Nota

[1] Protocolo à Convenção 29
[2] Um chamado à ação para acabar com o trabalho forçado, a escravidão moderna e o tráfico de seres humanos.
*Se o seu país já assinou o Protocolo, parabéns! Por favor, visite a página da campanha para descobrir e compartilhar a campanha com amigos em outros países (o Brasil é um deles).

Países que assinaram o Protocolo à Convenção 29

Governo temerário traz a fome de volta

Fome

É preciso resistir mais que nunca e lutar para impedir os retrocessos. A maioria da população só tem a perder com o arranjo político em exercício

Por Nathalie Beghin e Iara Pietricovsky*

As Nações Unidas abrigaram recentemente em Nova York uma reunião de alto nível para discutir o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Um dos temas em discussão foi o Objetivo 2, batizado de Fome Zero, inspirado na bem-sucedida experiência brasileira de eliminar a fome, atestada pela FAO em 2014.

Note-se a relevância que o Brasil já teve no cenário internacional, pois suas políticas públicas foram capazes de influenciar um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030, assinada em 2015 por 193 países.

Em função desse debate global, começou a circular a informação de que o Brasil estava retrocedendo em um dos objetivos, o de erradicar a fome, pois a insegurança alimentar e nutricional voltou a assombrar o país.

Dados oficiais revelam que a pobreza vem recrudescendo. Segundo o IBGE, 9,2% de famílias tinham em 2015 rendimento per capita inferior a um quarto de salário-mínimo, um dos indicadores de medição da fome. Em 2014, essa proporção era de 7,9%, o que corresponde a um aumento de 16% em apenas um ano.

Como a redução da pobreza no Brasil nos últimos anos esteve fortemente atrelada à melhora real dos rendimentos das famílias, que vêm caindo desde 2014, a chaga da miséria se torna novamente uma questão em nosso país. O Banco Mundial diz a mesma coisa. Em estudo publicado recentemente, o Banco calcula que o número de pessoas vivendo na pobreza extrema no Brasil deverá aumentar entre 2,5 milhões e 3,6 milhões até o final de 2017.

Organizações da sociedade civil vêm produzindo dados na mesma direção. A Fundação Abrinq lançou relatório que evidencia que cerca de 6 milhões de crianças vivem atualmente na pobreza extrema, o que equivale a toda a população da cidade do Rio de Janeiro. Já a Oxfam Brasil nos informa que apenas 6 homens brancos detém renda equivalente à metade mais pobre da população brasileira, que equivale a 100 milhões de pessoas!

Apesar de evidências indiscutíveis, pois produzidas por entidades idôneas, o governo em exercício no Brasil tem a ousadia de afirmar que está tudo bem. Em relatório elaborado por conta da reunião de Nova York acima mencionada, o presidente da República chega a afirmar que tal relatório “constitui, também, exercício de prestação de contas, em primeiro lugar perante a sociedade brasileira, das medidas que nosso governo vem adotando em nome de um país mais próspero e justo, com oportunidades para todos – até mesmo para as gerações futuras”. A pergunta que não quer calar é: como o aumento da fome e da miséria pode ser resultado de medidas inclusivas e justas?

A afirmação do Temer no relatório brasileiro revela que o atual governo se mostra insensível ao aumento da pobreza e da fome, bem como da destruição dos recursos naturais do país. O Inesc vem mostrando, por meio de uma série de notas e textos, que todas as medidas implementadas nos últimos meses com o pretexto de “combater a crise” afetam, única e exclusivamente, os que menos têm.

Estamos nos referindo à emenda constitucional que congela os gastos públicos por 20 anos e que irá diminuir em termos reais os recursos disponíveis para saúde, educação, assistência social e segurança alimentar e nutricional, entre outros; aos cortes orçamentários que afetam proporcionalmente mais as políticas voltadas para os mais vulneráveis; à reforma trabalhista que resulta na precarização das relações de trabalho e na diminuição da renda dos trabalhadores e das trabalhadoras; à implementação de parcerias público-privadas que contribuem para enfraquecer ainda mais o combalido Estado e sua capacidade de promover políticas de combate às desigualdades, fome e pobreza além de constituírem-se em mecanismos de corrupção; à reforma da Previdência que penaliza a base da pirâmide e, especialmente mulheres e negros.

Especialistas como Luciana Jaccoud do Ipea mostram que a reforma da Previdência Social irá excluir 44% das mulheres urbanas ocupadas da aposentadoria, além de aumentar as desigualdades entre homens e mulheres, e de elevar a desproteção no campo. Estima-se que essa exclusão afete entre 60% e 80% dos que se aposentariam.

Temos ainda as medidas de flexibilização das leis ambientais, que impactarão os povos indígenas e os povos e comunidades tradicionais; a reforma ministerial que ceifou a institucionalidade voltada para os excluídos (agricultores familiares com a extinção do Ministério do Desenvolvimento Agrário; mulheres com a extinção da Secretaria de Políticas para as Mulheres; negros com a extinção da Secretaria de Igualdade Racial; povos indígenas com o esvaziamento da FUNAI); e o aumento de impostos indiretos (PIS e Cofins nos combustíveis) que agrava a regressividade da carga tributária fazendo com que os mais pobres paguem proporcionalmente mais.

A extorsão dos mais vulneráveis somam-se às benesses concedidas aos mais ricos: o direito de invadir terras indígenas e florestas para expansão do agronegócio e das mineradoras; o perdão de dívidas de grandes empresas; a privatização de serviços públicos que abre novos mercados para o setor privado; e a implementação de parcerias público-privadas que transformam a infraestrutura, em todos os níveis federativos, na nova fronteira de acumulação e lucratividade para investidores nacionais e estrangeiros.

Enfim, eliminam-se os obstáculos (institucionais, sociais, ambientais, culturais e trabalhistas) que possam postergar ou afetar a rentabilidade esperada pelo setor empresarial.

Na lógica dos governantes de plantão, comprovadamente corruptos, pouco importa a volta da fome, já que conseguem, mesmo sem voto e sem popularidade, a façanha de assegurar o enriquecimento das elites. Não há qualquer interesse, nem vontade política, de caminhar na direção dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Por isso é preciso resistir mais que nunca, e lutar para impedir os retrocessos porque a grande maioria da população brasileira só tem a perder com esse arranjo político em exercício.

Nós – ONGs, movimentos sociais e ativistas do campo democrático e popular – temos a obrigação legal e moral de denunciar diuturnamente as violações de direitos humanos perpetuadas por esse governo temerário. Temos um longo caminho pela frente, mas a causa é justa e é isso que mantém nossa chama viva!

* Nathalie Beghin e Iara Pietricovsky são integrantes do Instituto de Estudos Socioeconômicos/INESC e do Grupo de Reflexão sobre Relações Internacionais/GR-RI.

Fonte: Carta Capital

Defender direitos não é crime

Defender direitos não é crime

Imagine ser perseguido e ameaçado por defender algo que é direito de todos, como o acesso à água? Pois isso está acontecendo no Chile. Em Petorca, uma província do país, a água é muito escassa e, ainda assim, políticos e fazendeiros fazem extração ilegal, colocando comunidades locais em risco.

Rodrigo Mundaca é parte de uma organização que luta para proteger o acesso das comunidades locais à água e expor a extração ilegal. Por causa de seu corajoso trabalho, ele tem sofrido ameaças de morte, ataques físicos e enfrentado processos judiciais.

Mesmo com toda a perseguição, Rodrigo e seus colegas não desistiram de lutar. Assim como eles, existem outras pessoas em todo o mundo que estão assumindo riscos enormes para defender nossos direitos. São professores e professoras, estudantes, opositores políticos, operários, jornalistas, advogados e tantos outros. Eles estão sendo ameaçados, perseguidos, torturados, detidos e até mesmo mortos. A campanha global da Anistia Internacional, Coragem, chama atenção para a grave situação desses defensores e defensoras de direitos humanos no mundo.

A situação dos defensores e defensoras no mundo é muito grave. E no Brasil, a realidade não é diferente. É urgente que os governos assumam sua responsabilidade de garantir o direito destas pessoas a uma vida livre de violência.
Jurema Werneck, Diretora Executiva da Anistia Internacional Brasil.

Posicione-se ao lado de quem tem coragem! Podemos encontrar essa coragem em todos nós para falar e fazer o que é certo.

Assine a petição exigindo que o Ministro do Interior e da Segurança Pública do Chile investigue as ameaças de morte e garanta aos defensores de direitos humanos a segurança e proteção de que precisam. Fazendo parte dessa mobilização, você junta sua voz a milhares de outras pessoas e assim podemos fazer a diferença.

Anistia Internacional Brasil

Chega de guerra na favela! Moradores pedem paz

Chega de guerra na favela! Moradores pedem paz

Anistia Internacional, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツImagina você ser atingido por um tiro de fuzil enquanto sai de casa para ir à padaria trabalhar. Ou ser atingido na perna por uma bala perdida enquanto está dentro de sua própria casa, com sua família.Esses casos são reais e vitimaram Gustavo Silva, de 17 anos e Bruno Souza, de 24 anos, no Complexo do Alemão, Rio de Janeiro.

Nos últimos meses, operações da Polícia Militar foram intensificadas no Complexo do Alemão, resultando em inúmeras violações de direitos humanos dos moradores da favela. Desde a última sexta-feira, dia 21,aconteceram operações todos os dias, deixando pelo menos três pessoas mortas, escolas fechadas e dezenas de milhares de pessoas aterrorizadas pela ação dos agentes do Estado que deveriam protegê-los, mas que atuam de forma ilegal e violenta. Em muitas situações, os moradores têm suas casas invadidas pela polícia e são colocados em risco devido às intensas trocas de tiros com grupos criminosos.

Os moradores do Complexo do Alemão querem paz!

No dia 25 de abril, depois de cinco dias seguidos de tiroteios intensos, os moradores estenderam lençóis brancos nas janelas em um pedido desesperado para que acabem as operações violentas e eles possam ter paz. Porém, mais uma vez, a atuação da polícia militar foi reprimir com violência o protesto

Posicione-se ao lado dos moradores do Complexo do Alemão! Escreva agora para as autoridades do Rio de Janeiro pedindo medidas urgentes para acabar imediatamente com a violência da polícia e para garantir a segurança imediata dos moradores.

Anistia Internacional Brasil

Imagine ser acordado com um ataque de gás químico

Imagine ser acordado com um ataque de gás químico

Anistia Internacional, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツAmigos, isso foi o que aconteceu com centenas de pessoas no dia 4 de abril, na província de Idleb, norte da Síria. Mais de 70 crianças e adultos morreram e centenas de pessoas ficaram feridas ao enfrentarem, logo pela manhã, um despertador que ninguém gostaria de ouvir.

A Anistia Internacional entrevistou uma enfermeira que trabalhava no hospital Al Rahma na manhã do ataque.

Por volta das 6:35 da manhã, as primeiras vítimas foram trazidas – e então o fluxo continuou até às 9h. Havia um grande número de pessoas sendo trazidos, e havia apenas quatro de nós médicos no hospital naquele momento, e um de nós também foi infectado. As vítimas tinham vômito no nariz e na boca, de uma cor amarelo escuro, às vezes se tornando marrom, e também paralisia nas funções respiratórias – as crianças estavam morrendo mais rápido do que os adultos por causa disso. Nós tentamos injeções… mas simplesmente não funcionou. As vítimas eram incapazes de engolir, estavam inconscientes, completamente sem resposta

Exija justiça para as vítimas do conflito na Síria!

O uso de armas químicas é estritamente proibido pelo Direito Internacional Humanitário e constitui um crime de guerra. Este foi o ataque químico mais mortífero na Síria desde 2013, quando o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou uma resolução para eliminar o uso de armas químicas na Síria.

Pressione os líderes mundiais a acabarem com o conflito na Siria. Todos os crimes devem ser investigados e seus autores responsabilizados.

Anistia Internacional Brasil

Apoie o trabalho crucial da Anistia de expor a verdade

Apoie o trabalho crucial da Anistia de expor a verdade

Quando a casa vizinha foi bombardeada, ela desabou sobre nós

Você precisa ouvir esta história.

Anistia Internacional, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツCentenas de civis foram instruídos a não fugir de suas casas em Mossul, no Iraque, antes de serem mortos por ataques aéreos e de morteiros que atingiram suas casas. Não é uma leitura fácil, mas você precisa conhecer esta história para que possa ver porque o trabalho da Anistia Internacional realmente importa.

Meu nome é Donatella Rovera, sou assessora sênior para crises, e me preocupa o que vejo em Mossul, norte do Iraque. Apoie o trabalho crucial da Anistia de expor a verdade.

Wa’ad Ahmad al-Tai estava entre muitos civis que seguiram o conselho do governo iraquiano. “O governo nos disse: ‘fiquem em suas casas e evitem o deslocamento.’  É por isso que ficamos”.

À medida que a luta se intensificava, Wa’ad Ahmad al-Tai, seu irmão Mahmoud e suas famílias procuraram abrigo na casa de dois andares do outro irmão, esperando que isso lhes oferecesse mais proteção.

Estávamos todos amontoados em um quarto na parte de trás da casa, 18 de nós, três famílias. Mas quando a casa vizinha foi bombardeada, ela desabou sobre nós. Meu filho Yusef, de 9 anos, e minha filha Shahad, de 3, foram mortos, juntamente com meu irmão Mahmoud, sua esposa Manaya, seu filho Aws, de 9 anos também, e minha sobrinha Hanan. Ela estava abraçando a filha de 5 meses, que sobreviveu, graças a Deus
disse ele.

Essas pessoas receberam orientação expressa do governo iraquiano para não fugir, mas ficar em suas casas. Este conselho acabou sendo uma sentença de morte para centenas de civis.

É meu trabalho investigar ataques como esses a civis e divulgar isso ao mundo, para que juntos possamos pressionar os Estados envolvidos no conflito para que cuidem da segurança das pessoas.Mas para continuar fazendo isso, eu realmente preciso de sua ajuda.

Faça uma doação e apoie o nosso trabalho.

Em solidariedade,
Anistia Internacional

Doe agora