◤✠◢ Vasco da Gama, 118 anos história ◤✠◢


Vasco da Gama, Vasco, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツ

Mexia-se muito com o português naquela época. E só quem a viveu pode fazer uma ideia do papel que representou o Vasco na identificação completa do brasileiro e do português. Foi através do Vasco que o brasileiro conheceu melhor o português. E conhecendo aprendeu a gostar dele, aberto, franco, generoso, lusidíaco, se me permitem o termo […] O que o português fez no Vasco cabia numa página dos Lusíadas. Do campinho da rua Moras e Silva, o Vasco deu um salto para São Januário. Gozado, o português sentiu despertar nele, invencível, a velha fibra lusitana
Mário Filho. Revista Manchete, agosto de 1956

No dia de hoje comemoramos 118 anos do Club de Regatas Vasco da Gama. Na atualidade, o clube desenvolve variadas práticas esportivas, com acesso a todos os gêneros, diferentes faixas etárias e a indivíduos com as mais diversas condições sociais. Dentre os múltiplos esportes praticados, podemos citar o remo, esporte-fundador da entidade, o futebol, o atletismo, o futsal, o futebol americano, o futebol de praia (beach soccer), o basquete, etc.

Na tarde de 21 de agosto de 1898, os 62 idealistas reunidos na Rua da Saúde n. 293 talvez não imaginassem que o clube que estavam a fundar pudesse alcançar o gigantismo ostentado na contemporaneidade, uma instituição cujas inúmeras glórias alcançadas ajudaram a construir uma legião de adeptos (sócios e torcedores) que chegam ao patamar de milhões.

No apagar das luzes do século XIX, impulsionados pelos ares da modernidade, pelo desejo de praticarem um esporte símbolo dos novos tempos, homens ligados à chamada classe caixeiral, que na sua maioria trabalhavam no comércio do centro da Cidade do Rio de Janeiro, decidiram criar um novo clube para a prática do remo, eis que surgia o Club de Regatas Vasco da Gama.

As comemorações do IV Centenário da Descoberta do Caminho Marítimo para as Índias influenciaram no nome da nova instituição náutica e nos seus símbolos, principalmente, o maior deles, a cruz que os fundadores do Clube deram ao Vasco. Esta que fora inspirada naquelas presentes nas naus comandada pelos portugueses, como o almirante Vasco da Gama, no período das Grandes Navegações. A Cruz de Cristo, que se popularizou entre os vascaínos pela nomenclatura “Cruz de Malta“, foi instituída como o primeiro e grande emblema do Clube.

Necessitando organizar-se melhor após o seu nascedouro, o Vasco começou a competir no ano seguinte, em 1899. Como demonstração de sua força, logo em seu ano de estreia veio a primeira vitória em provas, com a Volúvel, no primeiro páreo e ainda um segundo lugar com a Victória, uma baleeira a quatro remos. Embora a prova não valesse para o campeonato, chamou a atenção de todos o feito dos vascaínos.

Os anos se passaram e as conquistas do Vasco foram se acumulando. Em 1904, vieram os dois primeiros troféus, a Prova Clássica Sul-América e a Prova Clássica Jardim Botânico. Logo após os seus primeiros anos de fundação, o clube tornou-se bicampeão de remo da cidade em 1905 e 1906, demonstrando a sua grandeza e realizando um feito que outros clubes mais antigos não haviam conseguido.

Um grandioso tricampeonato em 1912, 1913 e 1914 veio consolidar o Vasco como o maior clube náutico do Rio de Janeiro e um gigante do remo no Brasil. Nessa época, a ginástica e o tiro já eram praticados pelos sócios vascaínos. Acompanhando uma tendência que se espalhava pela cidade, crescia cada vez mais a influência do futebol entre o quadro associativo vascaíno e muitos sócios começavam a solicitar a inserção desta prática no clube, fato que viria a ser consumado a partir de 26 de novembro de 1915.

Na “Era do futebol”, o Vasco escreveu de uma vez por todas o seu nome no esporte mundial. Em 1923, tornou-se o primeiro clube carioca a ser campeão com jogadores negros e brancos de baixa condição social. Negando-se em 1924 a excluir seus atletas a pedido da AMEA, que congregava os clubes das elites cariocas, lutou pela democratização do futebol no Brasil. Em 21 de abril de 1927, inaugurou o então maior estádio da América do Sul, calando os críticos e os defensores de um futebol exclusivamente voltado para homens brancos de “boa família”.

O Estádio de São Januário, para além do futebol, tornou-se um patrimônio nacional ao ser sede de eventos culturais e políticos que marcaram a vida do país.  No estádio vascaíno, Getúlio Vargas assinou a lei que instituiu o Salário Mínimo, anunciou a instalação da Justiça do Trabalho, pronunciou discursos no Dia do Trabalho (1º de Maio) e no Dia da independência (07 de Setembro). Geralmente, na comemoração da independência, o maestro Heitor Villa Lobos regia corais orfeônicos com milhares de jovens e crianças. Além de Getúlio, a Tribuna de Honra teve a presença de outras figuras importantes da política nacional, como Luiz Carlos Prestes, Juscelino Kubitschek, Eurico Gaspar Dutra, João Goulart e outros. Na “casa vascaína” também foram realizados desfiles de escolas de samba e shows de bandas internacionais.

Na década de 40 e 50, o Vasco montou uma das melhores equipes da história do futebol, o Expresso da Vitória. Os jogadores vascaínos constituíam a base da seleção brasileira, e o Clube era o maior expoente do futebol nacional, posição ratificada com a conquista do seu primeiro título continental, o Campeonato Sul-Americano de Clubes Campeões (Chile, 1948).

Após a Segunda Guerra, a Fifa voltou a organizar uma Copa do Mundo, cuja sede foi no Brasil. No intuito de oferecer um grande palco para o evento, construiu-se o maior estádio do mundo à época, o Maracanã. O Vasco sagrou-se o primeiro campeão carioca no estádio, ao vencer o campeonato de 1950.

A seleção brasileira contou com a ajuda vital dos vascaínos para conquistar a sua primeira Copa do Mundo. Para o Mundial de 1958, o Vasco cedeu ao Brasil o zagueiro e capitão Bellini, o zagueiro Orlando Peçanha e o atacante Vavá. Este último foi o autor dos dois primeiros gols brasileiros na final contra a Suécia, virando o jogo em prol da seleção, quando esta perdia por 1 a 0.

No ano do seu centenário, 1998, o Clube conquistou outro campeonato continental, ao levar para casa a Copa Libertadores. Dentre os vários títulos e conquistas no “esporte bretão”, destacamos os 4 brasileiros, 1 Copa do Brasil e 24 títulos do Campeonato Carioca (sendo seis deles invictos: 1924, 1945, 1947, 1949, 1992, 2016; e um tricampeonato em 1992, 1993, 1994). Ainda citamos os torneios intercontinentais, como o Torneio Internacional Rivadávia Correa Meyer (1953), Torneio de Paris (1957), o Troféu Teresa Herrera (1957) e o Torneio Ramón de Carranza (1987, 1988 e 1989).

Para além dos gramados, quadras, piscinas e lagoas, o grande diferencial do Vasco é o fato de, por vezes, suas ações ultrapassarem o espaço reservado da prática esportiva em si e alcançarem as esferas sociais. A história do clube, em diferentes períodos, se entrelaça com a própria história do país e dialoga com algumas reivindicações das camadas menos favorecidas da sociedade.

No decorrer desses 118 anos, nós vascaínos, cantamos, rimos, choramos e comemoramos com o nosso Vasco. Esperamos que muitas outras glórias estejam por vir para nossa amada e centenária entidade, assim, engrandecendo ainda mais a riquíssima história do Club de Regatas Vasco da Gama.

Fonte: Portal do Vasco da Gama.

dcvitti vascaíno

Vascaíno desde 1979

Anúncios

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s